Sericaia

Já escrevi um texto como este algumas vezes e acabei sempre por o apagar. É algo duro e complicado para mim e, por vezes custa a falar sobre isto. Mas há imensos casais a passar pelo mesmo e acho sinceramente que a troca de testemunhos é muito importante. Não sei se sabe mas, infelizmente cerca de 15% dos casais têm problemas de fertilidade. É um número bastante pesado e não há bem a certeza dele, já li notícias que falavam em 20% e outras 10%. Seja como for, é um número bastante grande e, nós fazemos parte dele. Vocês não imaginam o tempo que demorei até conseguir dizer esta frase. 
O meu maior sonho, a minha maior realização de vida sempre foi ser mãe. Gostava de ter três filhos, se a vida assim mo possibilitasse mas, nunca menos de dois. Quando decidimos constituir família, mesmo antes de casa, nunca me imaginei nesta situação. Sim, é como dizem, achamos que acontece sempre só e apenas aos outros. Os meses passaram e procuramos ajuda. A caminhada tem sido longa, a passo muito lento e dolorosa. Não é uma dor física mas uma dor psicológica que me mata aos pouquinhos. Não temos um diagnóstico, simplesmente não encontramos uma causa, algo que nos diga "é este o motivo pelo qual não conseguem engravidar". Teoricamente tudo funciona bem mas não acontece. Hoje foi dia de mais uma consulta, daquelas de "encher chouriços", da qual saímos sem rumo, sem plano, sem nada. Apenas com mais exames e nova consulta para daqui a quatro meses. 
Hoje enquanto esperava na sala pelas marcações as lágrimas teimavam eu querer saltar e tive de fazer um esforço enorme para as engolir e não demonstrar a ninguém, nem ao meu marido, que a minha maior vontade era sair num pranto dali para fora, o mais depressa possível. O SNS funciona de forma muito lenta e por vezes torna-se complicado aceitar esta lentidão de animo leve. 
Tenho-me dedicado à jardinagem para ocupar mais a minha mente e porque sinto que o contacto com as plantas me tem feito muito bem. E tem mesmo, pois consegui passar estes últimos meses de forma muito mais calma e isso deve-se ao facto de ocupar a minha mente com outras actividades.
Não tenho muito para vos dizer do nosso caso em particular. Estamos a ser seguidos num hospital, que não tendo medicina reprodutiva nos está a empatar, é isso mesmo que sinto, que estamos a perder tempo. Fizemos os exames que ali se fazem e tudo está normal. Agora andamos a adiar de quatro em quatro meses, de consulta em consulta. Sinceramente a próxima será para mim a gota, prefiro voltar à linha de partida mas procurar ajuda num hospital com mais meios. 
Vou levando a vida e os dias como consigo, hoje estou "mal", sinto-me deprimida, sem vontade para nada. Ontem também me senti-a assim, mas tenho dias muito bons e em muitos deles nem me lembro do assim. Sou feliz, já aqui vos disse muitas vezes, sou uma pessoa muito feliz mas, podia ser mais, bastava conseguir realizar o meu maior sonho...


Ingredientes:
- 1 litro de leite
- 10 ovos
- 300 gr. de açucar
- 100 gr. de farinha
- 1 casca de limão ou vagem de baunilha
- 1 pau de canela


Preparação:
Comece por ferver o leite, com a casca de limão e o pau de canela. Deixe-o arrefecer um pouco.
À parte separa as gemas das claras e bata as primeiras com o açúcar. Dissolva a farinha num pouco de leite e misture ao preparado de gemas, envolva bem. Adicione depois, em fio o restante leite. Mexendo bem para as gemas não cozerem e ficarem fracas. 
Bata as claras em castelo firme. Eu adiciono sempre umas pedrinhas de sal às claras antes de as bater em castelo. 

Adicione as claras ao outro preparado e misture tudo muito bem. 
Disponha em colheradas, numa peça de barro para ir ao forno. 
Polvilhe de canela e leve ao forno já quente a 220º, durante +/- 30 minutos mas convém fazer o teste do palito pois depende do forno.
Bom apetite!